Kawahiva em Colniza: Coprodia quer explorar fazendas em terra indígena de Mato Grosso

Kawahiva em Colniza: Coprodia quer explorar fazendas em terra indígena de Mato Grosso

A Cooperativa Agrícola de Produtores de Cana de Campo Novo do Parecis (Coprodia) está solicitando judicialmente a posse de fazendas localizadas dentro da Terra Indígena Kawahiva do Rio Pardo, na região de Colniza (MT), divisa com Amazonas.

Conforme reportagem da Folha de São Paulo, a usina apresentou documentos sobre as propriedades, registros do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e relatórios sobre a ocupação da área. O objetivo seria mostrar que a Coprodia tem propriedades rurais dentro da terra indígena.

“Fizemos duas perícias e não há nenhum vestígio de posse indígena. Está na Justiça Federal um pedido para que a área da Coprodia seja retirada dessa demarcação entre aspas”, disse à Folha o advogado da cooperativa, Francisco Faiad Faiad. “As perícias não constataram nem indígenas e nem vestígios”.

PUBLICIDADE

Inclusive, mesmo com a identificação de indígenas isolados, a Coprodia teve uma área na região embargada pelo Ibama por desmatamento irregular em 2009. O advogado, entretanto, disse desconhecer a notificação do órgão e afirmou que a exploração de madeira se deu “muitos anos atrás, há 10 ou 15 anos”.

Atualmente, a Coprodia controla uma única usina em Campo Novo de Parecis (MT). A unidade é autorizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a produzir diariamente até 700 mil litros de etanol anidro e 1,25 milhão de litros de hidratado.

Histórico da área

Ainda de acordo com a reportagem, o local foi interditado em 2001 pela Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), que constatou a existência de kawahivas na região. Expedições feitas até 2006 registraram 45 acampamentos provisórios dos indígenas, que vivem isolados.

Em 2007, a Funai validou as conclusões do relatório antropológico e, na sequência, determinou restrição de uso da área até a demarcação definitiva.

“Em função do estado de fuga permanente a que estão submetidos, os kawahivas atingiram um alto grau de especialização em se deslocarem por todo aquele território, semeando estrategicamente dezenas de acampamentos”, disse a perícia, que apontou que os indígenas vivem da coleta, da pesca e da caça.

Conforme o documento da Funai de 2007, visto pela Folha, o grupo kawahiva do Rio Pardo é composto por, pelo menos, duas famílias extensas, somando entre 19 e 26 pessoas.

Em 2016, o Ministério da Justiça declarou o território de 411,8 mil hectares como de posse permanente dos indígenas. Entretanto, ainda não houve homologação definitiva.

3 thoughts on “Kawahiva em Colniza: Coprodia quer explorar fazendas em terra indígena de Mato Grosso

  1. Essa terra indígena e uma fraude
    Me mostre um índio nessa tal reserva.
    Isso tem interesse de outros países.
    E nós sabemos bem o eles querem preservar.

  2. Concordo plenamente não se vê um índio nesta região só o Obama enchendo o saco de trabalhadores na região querem monopolizar toda região inclusive guariba

  3. Somos em 40.000 habitantes no município, a maioria sendo madeireiro garimpeiro cupaibeiro seringueiro, beradeiro ,caçador, maneiro,ninguém viu esses tal indio,sabido é ,que essa região habitava a muito tempo atraz indios araras os quais já tem área homologada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido