Ibama destrói escavadeiras em operação contra garimpo ilegal na Terra Indígena Sararé em MT

Ibama destrói escavadeiras em operação contra garimpo ilegal na Terra Indígena Sararé em MT

De acordo com o Ibama, em 2023, ela foi a terra indígena mais desmatada do país. De janeiro até o início de julho, já perdeu uma área equivalente a 540 campos de futebol.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) destruiu ao menos 16 escavadeiras hidráulicas e uma balsa de mergulho usadas em garimpos ilegais na Terra Indígena Sararé, em Conquista D’Oeste, a 571 km de Cuiabá.

A ação ocorreu entre os dias 25 e 27 deste mês e tinham como objetivo combater o garimpo ilegal na região, que é considerada uma das áreas com mais alertas para exploração ilegal do solo no Brasil.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, dois suspeitos foram presos no local. A terra indígena Sararé sofre pressão do garimpo ilegal há pelo menos 3 anos, informou a PRF.

De acordo com o Ibama, em 2023, ela foi a terra indígena mais desmatada do país. De janeiro até o início de julho, já perdeu uma área equivalente a 540 campos de futebol.

A operação

Na região da Terra Indígena, a Polícia Federal já realizou várias fases da operação. A primeira foi em maio de 2020, quando policiais desocuparam um garimpo ilegal de ouro na região. Porém, após a saída das equipes, os garimpeiros invadiram o local novamente.

A segunda etapa foi deflagrada em março de 2021 e apreendeu instrumentos usados na exploração clandestina. A desocupação foi determinada pela Justiça de Cáceres, e foi realizada por 50 policiais federais e mais de 100 militares do Exército Brasileiro.

Por imagens de satélite, a Polícia Federal constatou que a região continuava sendo degradada e foi realizada, então, a terceira fase da operação em setembro.

A ação contou com apoio do Ibama, da Força Nacional, do Exército Brasileiro, da Polícia Rodoviária Federal e da Funai, envolvendo aproximadamente 100 servidores. Drones também foram utilizados na operação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido