Trecho Castanheira X Colniza: Governador decreta situação de emergência na MT-170 devido aos atoleiros

Trecho Castanheira X Colniza: Governador decreta situação de emergência na MT-170 devido aos atoleiros

Desde o mês passado, os motoristas têm dificuldade de trafegar pela região devido aos atoleiros formados na rodovia. Nesta semana, uma fila com mais de 100 caminhoneiros se formou.

O governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (União), decretou situação de emergência na MT-170, entre os municípios de Castanheira e Juruena, a 780 km e 893 km de Cuiabá, respectivamente, neste sábado (8). Desde o mês passado, os motoristas têm dificuldade de trafegar pela região devido aos atoleiros formados na rodovia.

O decreto, segundo o estado, tem por objetivo facilitar a aquisição de material para a recuperação da estrada.

Nesta semana, uma fila com mais de 100 caminhoneiros se formou na região. Um produtor de leite ficou mais de 10 dias parado na estrada e, com isso, precisou jogar fora mais de 10 mil litros de leite. Outros caminhoneiros que carregavam carga viva também tiveram prejuízos, um tombou e três novilhos morreram.

O governo informou que, neste sábado, existem dois pontos de atoleiros nesse trecho, sendo apenas um crítico, na região próximo ao restaurante Salada de Fruta.

Motoristas ficam presos em atoleiros na MT-170

A Secretaria de Infraestrutura e Logística (Sinfra) informou que trabalha no local em parceria com as empreiteiras contratadas para fazer o asfalto da rodovia e com as prefeituras de Juruena, Cotriguaçu, Juína, Castanheira, Aripuanã e Colniza, para garantir o tráfego na região, com máquinas e equipamentos.

Os caminhoneiros parados na região recebem alimentos e água de equipes da Defesa Civil Estadual, da Secretaria de Assistência Social e Cidadania, além da Segurança Pública e prefeituras.

“Nenhum município da região está com problemas de abastecimento de alimentos ou combustíveis. Vale lembrar que as chuvas continuam nesse trecho, que registra em média 130 milímetros por dia”, diz o governo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo Protegido