Carregando agora

Professor suspeito de abusar de alunas é preso em Lucas do Rio Verde

Professor suspeito de abusar de alunas é preso em Lucas do Rio Verde

Durante as investigações, a polícia concluiu que o professor agia com o mesmo modo, praticando os abusos no momento em que esclarecia dúvidas das crianças

Um professor, acusado de abusar de alunas na Escola Estadual Professor João Florentino Silva Neto, em Cáceres, a 220 km de Cuiabá, foi preso na manhã desta terça-feira (28) em Lucas do Rio Verde, a 360 km da Capital. Investigações apontaram que pelo menos três crianças foram vítimas dos abusos na unidade escolar.

O idoso, de 67 anos, chegou a ser socorrido, mas morreu no Hospital Regional de Rondonópolis. (Foto: PJC).
O suspeito de abusar de crianças em uma escola de Cáceres foi preso na manhã desta terça-feira (28). (Foto: PJC).

De acordo com a Polícia Civil, uma denúncia contra o professor havia sido recebida na última quinta-feira (23) e os mandados de prisão foram cumpridos na manhã de hoje através do Núcleo de Atendimento à Mulher da Delegacia de Lucas do Rio Verde.

O suspeito ainda havia sido afastado do cargo pela Seduc (Secretaria de Estado de Educação) na tarde da última sexta-feira (24), após as denúncias de abuso sexual contra menores, estudantes da unidade de Cáceres.

Segundo a delegada do Núcleo da Mulher, Ana Carolinne Mortoza Lacerda Terra, as investigações iniciaram em dezembro do ano passado, quando uma vítima de 8 anos contou aos pais sobre o comportamento do professor, que estaria tocando em seu corpo e que o abuso geralmente acontecia quando ela entregava tarefas ou ia tirar dúvidas com o suspeito.

Outras duas crianças, também de 8 anos, relataram aos pais que foram vítimas dos abusos na mesma escola.

Durante as investigações, a polícia concluiu que o suspeito agia com o mesmo modo, praticando os abusos no momento em que esclarecia dúvidas das crianças.

O celular e o notebook dele passarão por análise, como explica a delegada à frente do caso, dando continuidade às investigações e na tentativa de identificar possíveis novas vítimas.

Deixe uma resposta