qui. dez 1st, 2022

Prefeito de MT promete rifa de picape se cidade for campeã de votos em Bolsonaro; procurador manda PF investigar suposta compra de voto

Justiça entendeu que caso é de propaganda ilegal e proibiu evento e divulgação do vídeo publicado na última semana.

A justiça eleitoral mandou o prefeito de Tapurah, Carlos Alberto Capeletti (PSD), apagar um vídeo em que promete o sorteio de um carro 0 km aos moradores, caso a cidade seja a líder do estado em número de votos para Bolsonaro. Na decisão, a justiça configurou a ação como prática ilegal de propaganda eleitoral. O Ministério Público acionou a Polícia Federal para apurar possível compra de votos.

O vídeo foi publicado na última semana. Na cidade, que fica a 400 km da capital, Cuiabá, Bolsonaro recebeu no primeiro turno 4.751 votos, 73,05% do total dos votos válidos. Na imagem, o prefeito diz que faria um sorteio usando o comprovante de votação dos moradores, caso a cidade atingisse o primeiro lugar no estado em percentual de votos para o atual presidente.

“Então, eu quero propor aqui ao eleitor de Tapurah, para sermos o município que mais terá o índice percentual a Bolsonaro. Farei uma rifa de uma picape Strada, 0 km, se nós atingirmos o primeiro lugar no estado em percentual em prol do Bolsonaro, certo?”, disse em trecho do vídeo.

Nas imagens, ele também critica o candidato da oposição e traz falas ameaçadoras, como de problemas econômicos, caso Bolsonaro não leve a eleição. O prefeito ainda pede que os moradores façam campanha em prol do candidato.

Após a publicação, a justiça eleitoral acionou o prefeito determinando que a publicação seja retirada do ar. Para a justiça, o vídeo configura “prática ilegal de propaganda eleitoral” e “inequívoco oferecimento de vantagem a eleitores”.

Na decisão deste domingo (9) determinou ainda que fosse cancelado qualquer sorteio e a divulgação do vídeo em quaisquer outros canais. As medidas devem ser adotadas sob pena de R$ 100 mil em multa, caso o prefeito continue divulgando o sorteio ou promova eventos semelhantes.

As plataformas onde o conteúdo foi publicado também foram acionadas sobre a decisão para garantirem que o conteúdo seja apagado das redes, já que o conteúdo vinha sendo compartilhado.

Por telefone, o prefeito Carlos Alberto Capeletti informou ao g1 que ainda não foi notificado, mas que cumprirá a determinação da justiça e não vê a gravação, que foi feita por ele e compartilhada em grupos de WhatsApp, como compra de votos, já que não é candidato.

“O intuito era colocar Tapurah como município que mais teve votos em prol de Bolsonaro e que menos teve abstenção. Então, resolvi fazer o sorteio da caminhonete. Na minha concepção, o ticket de votação do segundo turno é porque tem o nome do eleitor e seria sorteado esse ticket. Quem votou no Lula, quem votou branco ou nulo vai participar também. Não tem como eu saber em quem ele votou”, disse.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?

Categorias