qui. dez 1st, 2022

Parlamentares aprovam afastamento de vereador que sacou arma durante briga na Câmara de Querência (MT)

Neiriberto Martins Erthal (PSC), de 46 anos, deve ficar fora do cargo por 24 meses; Edmar Lucio Batista, que também estava na confusão, deixa cadeira por 18 meses.

Os parlamentares aprovaram, nesta segunda-feira (25), o afastamento do vereador Neiriberto Martins Erthal (PSC), de 46 anos, que sacou uma arma de fogo e apontou para um colega durante uma sessão na Câmara Municipal de Querência, a 912 km de Cuiabá.

O afastamento foi aprovado por 8 votos a favor e um contrário. Neiriberto ficará fora do cargo por 24 meses e o vereador Edmar Lucio Batista, que também estava na confusão, será afastado das funções por 18 meses.

A briga aconteceu no dia 21 de março deste ano, quando uma discussão começou na Câmara e Neiriberto se levantou e deu um soco em Edmar. Quando ele tentou voltar à cadeira, escorregou e, em seguida, já se levantou sacando a arma e apontando em direção ao outro vereador.

Um vídeo de um trecho da sessão mostra o momento em que Neiriberto começa a ficar nervoso e discute com o outro parlamentar. Em seguida, ele diz: “O trabalho aqui é feito e é organizado. Vossa excelência, seja homem e assuma…”, o parlamentar não conclui a frase e levanta da cadeira para ir até o vereador.

A equipe da Polícia Militar interveio para conter a briga e afastou Neiriberto do local. Ele foi levado para outra sala e, quando percebeu que o suspeito estava com arma em punho, conduziu o vereador Edmar para o abrigo atrás da bancada e, posteriormente, para fora do plenário.

O vereador foi preso três dias depois, já que houve indícios de que Neiriberto acionou o gatilho do revólver em direção à vítima e de outras pessoas, mas que a arma não disparou “por circunstâncias desconhecidas”.

“O vereador sequer possui porte de arma, o que torna a situação ainda pior, especialmente no âmbito de uma sessão pública nas dependências da Câmara de Vereadores”, disse o juiz Thalles Nóbrega Miranda Rezende de Britto, da Vara Única do município.

O vereador apresentou um atestado médico alegando problemas psicológicos. Com isso, ele continuou recebendo salário, mesmo não estando no cargo. O atestado foi entregue pela mulher dele na no dia 1º de abril na Câmara de Vereadores do município.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?

Categorias