qua. jan 19th, 2022

Empresária suspeita de forjar o próprio sequestro para receber seguro em MT é solta e responderá em liberdade

Ruana deve responder em liberdade por estelionato e falsa comunicação de crime. Ela foi presa nessa quinta-feira (2).

Ruana Sabrina Fortunato Freitas foi presa nessa quinta-feira (2), suspeita de forjar o próprio sequestro em Várzea Grande (MT). — Foto: Facebook/Reprodução

Ruana Sabrina Fortunato Freitas foi presa nessa quinta-feira (2), suspeita de forjar o próprio sequestro em Várzea Grande (MT). — Foto: Facebook/Reprodução

A empresária Ruana Sabrina Fortunato Freitas, de 28 anos, que foi presa nessa quinta-feira (2), suspeita de forjar o próprio sequestro em Várzea Grande (MT), para vender a caminhonete dela e receber o seguro do veículo, foi solta nesta sexta-feira (3) em decorrência de crime de menor potencial ofensivo.

Mesmo assim, ela responderá pelo ato em liberdade. Ruana deve responder por estelionato e falsa comunicação de crime. Ela estava desaparecida e foi localizada dirigindo seu veículo em uma avenida da capital.

A decisão é do juiz Luís Augusto Veras Gadelha, da 5ª Vara Criminal da Comarca de Várzea Grande.

“É dispensável a realização de audiência de custódia se, ao receber a comunicação de flagrante, o juiz entender de pronto que é o caso de concessão de liberdade”, diz trecho da decisão.

Nessa quinta-feira (2), o marido de Ruana, Laudelino Luiz de Souza Saretto Filho, denunciou o sequestro da empresária à polícia. Segundo o relato dele, a mulher saiu para comprar bebidas em uma distribuidora, na quarta-feira (1°), por volta das 8h, e não voltou mais.

Laudelino registrou um boletim de ocorrência na Delegacia de Várzea Grande informando que estavam em uma festa, no bairro Nova Várzea Grande, quando sua companheira foi em uma distribuidora de bebidas conduzindo sua caminhonete e não retornou.

Logo depois, ele disse que teria recebido um vídeo que supostamente mostrava a mulher encapuzada, sendo mantida em cárcere privado.

Ainda na quinta-feira, após o registro da ocorrência, a Polícia Civil começou a investigação, que apontou que a caminhonete estava na região do Coxipó, em Cuiabá.

Equipes da unidade foram ao local indicado e encontraram o veículo, sem a placa traseira, e conduzido pela, até então, vítima.

Ela foi interceptada quando dirigia a caminhonete na Avenida Arquimedes Pereira Lima, na capital.

Segundo a polícia, em entrevista com os investigadores, Ruana entrou em contradição várias vezes. Conduzida à Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) para prestar depoimento, a empresária acabou confessando que forjou o sequestro e o roubo do veículo.

Segundo o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, ela contou que o objetivo era comercializar a caminhonete no mercado clandestino e depois receber o valor do veículo da seguradora.

O veículo foi apreendido e a mulher autuada em flagrante por falsa comunicação de crime e estelionato. Após o interrogatório, ela foi levada para a sede da Polinter e depois será encaminhada para audiência de custódia no Fórum da capital.

O marido da suspeita prestou declarações e, de acordo com a apuração da GCCO, foi descartada a participação dele nos crimes.

Conforme o delegado Vitor Hugo, a investigação continua para prender os demais envolvidos nos crimes.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?

Categorias