ter. abr 20th, 2021

Descaso com a pandemia em Colniza: Igreja Mundial do poder de Deus anuncia “evento” em carro de som.

Estamos publicando esta matéria, pois estamos indignados coma atitude bizarra e sombria da Igreja Mundial do Poder de Deus, ou seja, como se fossem imortais e imunizados por sua religião, os mesmos estão pagando carro de som para anunciar para esse feriadão de semana santa, cultos que podem se transformar em mega eventos, tudo isso acontecendo quando estamos vivendo o pior momento da pandemia em Colniza.

Não é a primeira vez que a mesma igreja faz isso, neste mês de março a igreja anunciou outro mega evento em sua igreja.

Os vereadores criaram e aprovaram um projeto de lei, e o prefeito sancionou, aonde tornou as igrejas e templos sagrados como essenciais, e com isso deu todo poder para instituições fecharem ou não em época de calamidade e pandemia. Mas isso não dá o direito das mesmas colocarem em risco a vida de toda população.

Para piorar a situação o novo decreto municipal proibi venda de bebidas alcoólicas por 08 dias, proibi festas e eventos, mais infelizmente mantém igrejas abertas com supostos 30% da capacidade. Isso é absurdo como assim 30% se a igreja anuncia convocando toda população para participar? – estão fazendo descaso, lembrando que morre gente todo dia em Colniza vítimas da Covid-19 e fiscalização é coisa que não existe em Colniza, o decreto não passa de papel, pois na prática a cidade está assim entregue a espera de um milagre. Ouçam o áudio gravado por celular, não é muito boa a qualidade, mas dá para ouvir a propaganda convocando moradores para participar em plena pandemia:

Jurisprudência:

Olha isso Colniza: Justiça manda fechar igrejas e templos religiosos após prefeito dizer que são serviços essenciais em MT

O desembargador Rubens de Oliveira ressalta a questão da alta probabilidade de danos à saúde pública.

A Justiça determinou o fechamento de igrejas e templos religiosos em Sinop, a 479 km de Cuiabá, nessa sexta-feira (26), em ação interposta pela Procuradoria Geral de Justiça (PGJ). A decisão é do desembargador Rubens de Oliveira,

Em 15 de março, o prefeito Roberto Dorner assinou decreto dizendo que igrejas e templos religiosos se enquadravam em atividades essenciais.

“Poderá ser realizada a limitação do número de pessoas presentes em tais locais, de acordo com a gravidade da situação e desde que por decisão devidamente fundamentada da autoridade competente, devendo ser mantida a possibilidade de atendimento presencial em tais locais”, diz trecho do decreto assinado pelo prefeito.

Para a PGJ, a Prefeitura de Sinop, ignorando o comando estadual, estipulou que, independentemente das medidas classificadas como extraordinárias, os cultos religiosos e missas poderão ocorrer sem nenhuma restrição, pois seriam atividades essenciais.

“Essa norma se contrapõe ao esforço aplicado pelo estado de Mato Grosso no combate à disseminação do coronavírus, que já em 1º de março de 2021 editou o Decreto 836, que institui critérios restritivos para as atividades comerciais e de serviços. Não obstante sua revogação pelo Decreto 874, de 24 de março de 2021, foram mantidas as restrições de funcionamento de igrejas, templos e congêneres, inclusive no tocante aos horários”, afirmou o desembargador.

O magistrado diz ainda que é importante registrar que, embora o decreto estadual seja posterior à lei municipal, a questão relevante a se analisar neste momento, em liminar, é a alta probabilidade de danos à saúde pública.

“Com o fechamento de igrejas, o exercício da liberdade religiosa e de crenças não fica impedido; ao contrário, permanece ileso. É necessário apenas que, temporariamente, ocorra por outros meios que não exijam a reunião física das pessoas e, portanto, não tragam risco para a sociedade”, conclui o desembargador.

Ações:

Quero aqui lembrar aos religiosos que estamos dando prioridade em salvar vidas e neste momento é fundamental que todos tenha consciência de que ninguém está imune a este vírus, e que ações iguais a estas coloca a vida de todos em risco, por isso pedimos mais uma vez o apoio do Ministério Público da Comarca de Colniza para intervir e fazer o mesmo que fizeram em Sinop, pois essa lei deu direito de pastores terem o poder de decidir se abre ou não, dependendo apenas da interpretação deles.

Então parabenizamos aqui a todos pastores e líderes religiosos que mesmo com essa lei mantém as portas da igreja fechada, e com isso, estão preservando a vida de seus fieis, mas fica todo nosso repúdio aqueles líderes que se acham acima da ciência e que desprezam a vida.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?

Categorias