“Briga pelo poder em Colniza(MT)” – Cidade que teve prefeitos assassinado, afastados, sequestrado e cassados poderá ter 10 candidatos nas eleições 2020.

Colniza é um município, localizado a noroeste do estado de Mato Grosso, a aproximadamente 1065 KM da capital Cuiabá, foi elevada à categoria de cidade em 1998, com a criação do município. Sua área territorial foi integralmente desmembrada do município de Aripuanã, até então um dos maiores municípios do Centro-Oeste em área territorial.

Colniza fez parte do projeto de colonização da Amazônia na década de 1980, onde o plano do governo era povoar a Amazônia. O objetivo era tirar as famílias de sem terras da região Sul e assentá-las em terras produtivas de uma forma regular e ordenada, assim sendo, contratou-se uma empresa de colonização para fazer a colonização das áreas destinadas a Projetos de Assentamentos, na qual a empresa se chamava “Colniza Colonização Com. e Ind. Ltda”, daí a origem do nome de colniza, o município leva o nome da empresa que o colonizou.

Economia

A economia de Colniza, está baseada no comércio, indústria, minério, agricultura e áreas de preservação permanentes, sendo algumas dessas áreas destinadas ao extrativismo e ao turismo.

Na indústria, podemos destacar as madeireiras; O município é dotado de grandes áreas de Manejo Florestal, dando suporte para a indústrias permanecerem desenvolvendo suas atividades de uma maneira sustentável e duradoura; Quase toda a produção é destinada a exportação, o município conta também com as indústria moveleira, laticínios e produção experimental de Biodiesel.

Comércio

O comércio a representatividade é varejista, constituída por casas de gêneros alimentícios, vestuário, eletrodomésticos, agropecuário, de objetos e artigos diversos.

Mineração

A mineração também é um atividade da economia do Município, sendo mineração de cassiterita, mineração São Francisco, de jazidas de ouro, o garimpo Muriru, explorações estas, devidamente reconhecidas e registradas.

Agricultura

Na agricultura, a base econômica é a agricultura familiar, o município conta com sete Projetos de assentamentos de Reforma Agrária regularizados ou em fase de regularização pelos órgãos competentes tais como: “P.A. Natal,” “P.A. Escol Sul,” “P.A. Perseverança Pacutinga,” “P.A. Colniza I,” “P.A. Colniza II,” de responsabilidade do INCRA, e os assentamentos “P.A. Filinto Muller” e “P.A.1° de Maio”, de responsabilidade do INTERMAT. A cultura de produção é de lavoura temporária e permanente, tais como; milho, feijão, arroz, mandioca, abacaxi, hortifrutigranjeiro, café, cacau, banana, pupunha e outros. Colniza está se tornando o maior produtor de café do Estado com 19.881.600 pés de café e uma média de 100.000 sacas limpas são colhidos anualmente, e esta produção tem um crescimento notável a cada ano.

Pecuária

A pecuária do município é mais direcionada ao gado de corte, mas com tendências de crescimento na criação de gado leiteiro. ia destaca-se também a criação de ovinos, caprinos e eqüinos.

Áreas de Preservação Permanente

As áreas de reservas e preservação permanentes do município, além da comercialização dos produtos retirados das reservas extrativistas para sustento de povos típicos (ribeirinhos), agregam a economia do município o ICMS ecológico que contribui para o desenvolvimento socioeconômico do mesmo. O Município tem seis reservas de preservação permanente, totalizando 538.935,11 hectares, (19,28 %) do território do município, sendo elas;

Reserva Resex Guariba Roosevelt, reserva extrativista de preservação permanente, destinado aos ribeirinhos que vivem às margens do Rio Guariba e Roosevelt, para a continuidade da cultura da população ribeirinha. Nela são extraídos, castanhas do Pará, látex das seringueiras, óleo copaíba e várias espécies de plantas medicinais que são comercializadas em todo país e exterior. Criada através da Lei 7.164/99 contendo 57.630,0 hectares.

Estação Ecológica – Rio Roosevelt, área de preservação permanente, criada a partir da Lei nº 7.162/99, com uma área de 53.000,65 hectares, destinada a pesquisas científicas e preservação das espécies.

Estação Ecológica – Rio Madeirinha, área de preservação permanente, criada a partir da Lei nº 7.163/99, com uma área de 13.682,96 hectares, destinada a pesquisas científicas e preservação das espécies.

Parque Estadual Tucumã, área de preservação permanente, criada a partir do Decreto nº 5.439/02, com uma área de 66.475,0 hectares, destinada a pesquisas científicas e preservação das espécies.

Parque Estadual Igarapés do Juruena, área de preservação permanente, criada a partida do Decreto nº 5.439/02, com uma área de 103.375,5 hectares, destinada a pesquisas científicas, preservação das espécies, educação ambiental e futuramente, atividades turísticas.

Eleições 2020:

Agora que já sabemos um pouco da cidade, vamos falar em política, ou seja, a cidade politicamente é marcada por brigas pelo poder e corrupção, um município que recebe mais de 70 milhões de reais por ano, está na UTI e sem previsão de recuperação.

A cidade que já teve prefeitos afastados e cassados pela Câmara de Vereadores e pela Justiça, já teve Prefeito Fuzilado e morto no centro da cidade, em plena luz do dia, e recentemente o atual prefeito foi sequestrado e extorquido era para pessoas terem pavor de política, mas parece que a galera não tá nem aí para isso, pois uma cidade com pouco mais de 17 mil eleitores poderá ter 10 candidatos a prefeito disputando o pleito eleitoral de 2020. Vejam a lista dos possíveis candidatos:

  • Marquinhos – Anivaldo Firme (a confirmar o vice)
  • Miltinho – Marco Antônio
  • Brandão – Dr. Antônio
  • Heuller – Dr. Luis
  • Leosmar – Rubens
  • Dr. Robson – Salomão
  • Zica – Alex Senna
  • Nelci – Joacir
  • Manoel da Evelin – Pastor Jonas
  • Dalto da Cafeeira – Vino (OBS: esta chapa é extraoficial)

Agora é esperar para ver se todos realmente irão registrar a candidatura, mas uma coisa é fato, a briga será feia e muito dividida.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?