Morador de MT é alvo da PF em operação contra fake news

Morador de MT alvo da PF em operação contra fake news diz que “defende legalidade das instituições”

Militante pró-Bolsonaro, Marcelo Stachin, morador de Sinop, na região norte do estado, é um dos alvos de busca e apreensão da Polícia Federal, nesta quarta-feira (27), no inquérito que apura a produção e disseminação de notícias falsas contra o Supremo Tribunal Federal (STF).

Nas redes sociais, ele é um defensor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e com frequência se manifesta contrário ao STF.

Ao G1, Marcelo afirmou que vê com surpresa o mandado contra ele e disse que está em viagem, em Nova Mutum, na casa de um amigo. Ele suspeita que a Polícia Federal tenha ido no endereço antigo dele.

“Estou em viagem e se os agentes foram na minha casa eu não sei dizer. Pelo que vi eles foram no endereço antigo e não encontraram. Passei para o meu advogado. Vou seguir a orientação do meus advogados. Realmente é uma surpresa. Vou nos atos de apoio ao presidente, mas nunca houve ameaças, só defendo a legalidade das instituições”, disse.

Um dos posts de Marcelo na rede social — Foto: Facebook/Reprodução

Um dos posts de Marcelo na rede social — Foto: Facebook/Reprodução

No início da manhã de hoje, ele havia postado um vídeo no perfil dele no Facebook de um sítio no município vizinho.

A PF em Mato Grosso informou que não tem autorização para passar detalhes da operação.

Na operação, a PF cumpre mandados de busca e apreensão em Mato Grosso, São Paulo, Paraná e Santa Catarina, contra 17 pessoas.

Aliados de Bolsonaro são alvos de operação da PF em inquérito do STF sobre fake news

Em Mato Grosso, no entanto, só tem esse mandado de busca e apreensão contra Marcelo.

Os mandados também são cumpridos contra o ex-deputado federal Roberto Jefferson, o empresário Luciano Hang, os blogueiros Allan dos Santos e Winston Lima. Eles são aliados do presidente Jair Bolsonaro.

Investigações

As investigações apontam que laudos técnicos que demonstraram que um grupo produz e dissemina as notícias falsas, sempre com o mesmo padrão. Foram identificados pelo menos quatro financiadores desse grupo.

As investigação já identificaram ao menos 12 perfis em redes sociais que atuam na disseminação de informações, de forma padronizada, contra ministros do tribunal.

Isso significa, por exemplo, que esses perfis encaminham o mesmo tipo de mensagem, da mesma forma, na mesma periodicidade. Técnicos cruzam informações para tentar localizar financiadores desses perfis.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?