Tragédia: Irmãos de 15 e 16 anos morrem em acidente próximo de Juruena

A segunda-feira foi pesada na cidade de Cotriguaçu, noroeste de Mato Grosso, após a confirmação da morte dos irmãos Ronaldo Muniz de Lana, de 16 anos, e Jonas Gabriel de Lana, de 15 anos. Os adolescentes morreram num trágico acidente na MT 170, próximo a Gleba 13 de maio, a 20 km de Juruena.

O site Juína News apurou que os irmãos estavam com o pai num veículo Gol e sofreram o acidente na única ponte de madeira que fica entre os municípios de Juruena e Cotriguaçu. Nessa mesma ponte outros 7 acidentes com vítimas fatais já ocorreram.

De um lado da ponte há aproximadamente 50 metros e do outro 200 metros para completar a pavimentação asfáltica e chegar nas cabeceiras da ponte. O trecho é passível de acidentes devido a falta do asfalto e por se tratar de uma curva.

Ao Juína News, o vereador de Cotriguaçu Picco Hoffman lamentou a perda precoce das vítimas e adiantou que já protocolou documentos em Cuiabá pedindo a construção da ponte de concreto e evitar que acidentes aconteçam.

“Já estivemos em Cuiabá pedindo a construção dessa ponte de alvenaria. Tem o projeto e a empresa já está lá e não faz nada. Já é a 7ª vítima fatal de Cotriguaçu e 15 acidentes registrados. É uma vergonha. Hoje na sessão ordinária pedi uma nota de repúdio aos responsáveis por essa obra”, disparou o vereador.

Hoje, a escola estadual Maria da Glória Vargas Uchôa, onde os adolescentes estudavam emitiu uma nota de pesar dos alunos que estavam matriculados no 8º e 9º ano, e lamentaram a perda reiterando que os alunos eram queridos pelos colegas, professores e demais servidores da unidade escolar.

Outras mortes

No dia 13 de outubro, de 2019, o site Juína News noticiou que próximo das 23h30, um casal que ocupava uma motocicleta morreu após supostamente cair nessa mesma ponte na MT 170 entre as cidades de Juruena e Cotriguaçu.  Foi o filho das vítimas, Salomão Souza dos Santos que relatou o fato ao site Juína e ainda abalado com a perda de seu pai Rosenildo Celestino dos Santos, de 52 anos, e da madrasta, Elvira K. de Souza, de 39 anos, se revoltou com a situação da rodovia que no seu ponto de vista é um descaso.

Para Salomão, a rodovia MT 170 é essencial para o desenvolvimento da região e pediu para que o estado olhasse com mais atenção para as obras da MT, e termine essa pavimentação asfáltica que deverá evitar que mais pessoas percam a vida em acidentes.

O pai e a madrasta de Salomão foram encontrados mortos a beira do rio em cima de pedras, e espera que a polícia civil que já está cuidando do caso busque elucidar os fatos, onde a família quer uma resposta precisa sobre as causas que contribuíram para acontecer o acidente.

Fonte: Juína News

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT

Qual é a sua Opinião?