qui. dez 12th, 2019

Prefeitura alega falta de dinheiro e suspende transporte escolar em Santo Antônio de Leverger (MT)

Pais receberam na sexta-feira (27) um bilhete da escola pedindo que eles providenciem o transporte dos filhos, pois podem reprovar por falta.

O transporte escolar em Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá, foi suspenso nesta segunda-feira (30). Os pais receberam na sexta-feira (27) um bilhete da escola pedindo que eles providenciem o transporte dos filhos, pois podem reprovar por falta.

O prefeito Veraldo Dias Da Cruz (PP) informou que devolveu ao estado os ônibus terceirizados por causa de uma crise financeira. Por causa disso, os alunos da rede estadual ficaram sem meio de transporte.

Bilhete informando suspensão do transporte foi enviado aos pais — Foto: Arquivo pessoal

“Nesse momento de crise que estamos vivendo optamos pela entrega do transporte ao estado. Vamos entregar (ao estado) nove ônibus, que são de 2008 e 2010. Continuaremos apenas com o transporte municipal”, explicou.

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) diz que o repasse do transporte escolar para o município está em dia e que, neste ano, foi repassado R$ 1,5 milhão ao município.

A secretaria informou ainda que, na quinta-feira (26), foi realizada uma reunião entre o governo e Prefeitura de Santo Antônio de Leverger quando ficou definido que transporte escolar dos alunos da rede estadual não será mais feito pela prefeitura.

“Já estão sendo tomadas as providências para a contratação emergencial de uma empresa para fazer o transporte escolar desses alunos”, informou a secretaria.

A analista de contas Alessandra Leal contou que recebeu um comunicado da escola onde a filha dela estuda dizendo que o nome da aluna estava na lista de alunos desistentes.

“Há quatro anos minha filha necessita do transporte, mas é sempre essa situação. Uma hora falta combustível, outra falta manutenção. Ela não estava indo para a escola por causa do transporte público”, afirmou.

Dívidas

A Seduc disse que o valor repassado ao município era de acordo com a quilometragem diária dos veículos.

No entanto, a prefeitura informou que recebe apenas R$ 2,05 por quilômetro rodado e que o custo para cada quilômetro é de R$ 3,04. Devido a isso, o município acumulou uma dívida de R$ 1,6 milhão.

“Recebemos R$ 138 mil e gastamos R$ 340 mil. Além disso, temos mais 14 ônibus rodando, o que nos gera R$ 200 mil de despesa mensal. Tudo isso para transportamos alunos na proporção de 70% do estado e 30% do município”, argumentou o prefeito.

O prefeito disse ainda que tem um custo mensal de R$ 340 mil com transporte terceirizado e mais R$ 200 mil com a frota própria.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT, em 21/08/2014, conforme processo nº 46210.001548/2014-14

Qual é a sua Opinião?