seg. dez 16th, 2019

Trabalhou em Colniza – Policial Militar de Juruena se suicida

A militar pediu transferência da 11° CIPM de Colniza para o NPM de Jurena no final do ano

A soldado da Polícia Militar, Silvana Rocha Carvalhais, tirou a própria vida com um tiro na cabeça no final da manhã de hoje na cidade de Juruena (912 km de Cuiabá). Ainda não há relatos de como ocorreu o caso. 

Porém, as informações preliminares são de que a PM estava sofrendo depressão. Meses atrás, ela foi vítima de violência doméstica praticada pelo marido e, desde então, desenvolveu a doença. 

Carvalhais iniciou sua carreira na PM há quatro anos. Ela atuava na cidade de Colniza, mas desde que se separou mudou para Juruena, onde reside familiares. A militar deixa familiares e um bebê.

DEPRESSÃO

Pesquisas de diversos institutos apontam para o crescimento significativo da Depressão, doença psiquiátrica crônica, caracterizada por tristeza profunda e forte sentimento de desesperança.

Por muito tempo ignorada, hoje ela já é vista como um risco de epidemia. A prioridade é tratar a doença com psicólogo, profissional capacitado para ajudar na superação da doença, entre tantas outras.

Além da busca profissional, as vítimas da doença também podem, caso sintam a necessidade de conversar, entrar em contato com o CVV (Centro de Valorização da Vida) pelo número 188. A ligação é gratuita.
PM LAMENTA

Por meio de nota, a Polícia Militar lamentou a morte de profissional e garantiu que está prestando apoio aos familiares da soldado.
Veja abaixo a nota:

A Polícia Militar de Mato Grosso lamenta profundamente a morte da soldado Silvana Rocha Carvalhais, 30, ocorrida na manhã desta quarta-feira (17.07). Ela estava lotada à 10ª Companhia de PM de Juruena (880 km de Cuiabá).
Por orientação do Comando Geral, o comandante do 8º Comando Regional de Juína, tenente-coronel Wendel Sodré, designou uma equipe de policiais, liderada por um oficial, para acompanhar a situação, adotar as medidas legais e dar suporte à família da policial.
A soldado Silvana Carvalhais tinha quatro anos de carreira militar, era divorciada e deixa uma filha. Os locais do velório e sepultamento ainda estão sendo definidos pela família. 
Acompanhamento
A Polícia Militar, preocupada com a saúde física e mental de seus policiais, vem desenvolvendo ações permanentemente de prevenção e diagnóstico para oferecer tratamento especializado.
Além do serviço gratuito de assistência psicológica em unidade própria, são realizadas palestras desmistificando as patologias psíquicas, estimulando a busca pelo tratamento e a colaboração mútua na identificação entre colegas de profissão e familiares.
Existe ainda, por meio da Coordenadoria de Saúde da PMMT, um trabalho de busca ativa para identificação e tratamento precoce da depressão e outros transtornos.

Jornalista e redator na Empresa O Pantanal OnLine, sob o número 0002048/MT, em 21/08/2014, conforme processo nº 46210.001548/2014-14

Qual é a sua Opinião?