“Clima de guerra em Colniza(MT)” – “Magali” é invadida e 30 seguranças particulares devem ir para a fazenda na intenção de retirar as famílias.

Clima no local é de tensão, pois, segundo o MP, 30 seguranças particulares devem ir para a fazenda na intenção de retirar as famílias.

Um grupo de aproximadamente 200 pessoas ocupou uma fazenda em Colniza, a 1.065 km de Cuiabá, nessa segunda-feira (29). A invasão é preocupante, segundo o Ministério Público Estadual (MPE), que alertou o governo de Mato Grosso sobre risco de conflito armado.

O MPE informou que 30 seguranças que teriam sido contratados pelos proprietários da terra devem ir para a fazenda na intenção de retirar os posseiros, que também estariam armados.

“Não há dúvida de que a ausência de intervenção imediata do Estado pode ocasionar a morte de dezenas de pessoas”, diz um documento encaminhado ao governador do estado, Pedro Taques (PSDB), pelo promotor da Comarca de Colniza.

De acordo com o MPE, a Fazenda Agropecuária Bauru (Magali) vem sendo alvo de invasões desde o ano 2000 e que, após a reintegração de posse em 2017, as ameaças se intensificaram até culminar com a invasão do grupo que invadiu a terra nessa segunda-feira.

O órgão cita, com base no relato do gerente da fazenda, que ainda não houve confronto armado, porque a segurança privada recuou para evitar o conflito, já que estão em número menor.

No entanto, existe ameaça de retorno com reforço de homens ainda nesta terça-feira (30).

A preocupação do MPE é que ocorra novamente uma tragédia na região, assim como a registrada em abril de 2017, quando 9 trabalhadores rurais foram brutalmente assassinados no Distrito de Taquaruçu do Norte.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT) informou, por meio de nota, que o policiamento já foi reforçado em Colniza, com o objetivo de evitar possíveis confrontos armados na região, em razão da invasão à Fazenda Agropecuária Bauru (Magali). “Policiais militares estão de prontidão para garantir a ordem pública e a segurança dos cidadãos locais. A Sesp esclarece ainda que continuará monitorando a situação e aguarda o andamento dos trâmites legais que competem ao proprietário da área junto ao Poder Judiciário, para o cumprimento de eventual operação de reintegração de posse”.

Jornalista Renato Pantanal

Jornalista e redator

You May Also Like

One thought on ““Clima de guerra em Colniza(MT)” – “Magali” é invadida e 30 seguranças particulares devem ir para a fazenda na intenção de retirar as famílias.

  1. Mudem isso parem de ser parciais, ” Trabalhador ” é aquele que trabalha, e quem trabalha não fica roubando oque é dos outros, trabalhador não invade propriedade alheia…..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *