Municípios de Juara e Juína aderem à greve dos caminhoneiros e produtores de Porto dos Gaúchos também já cogitam paralisação

Municípios de Juara e Juína aderem à greve dos caminhoneiros e produtores de Porto dos Gaúchos também já cogitam paralisação

Caminhoneiros, agricultores, entidades e empresários de Sinop e de Itanhangá foram os primeiros na região a aderirem a greve dos caminhoneiros pela redução dos preços dos combustíveis e realizar bloqueios na BR-163 e na MT-338.

Somente ambulâncias, carros, caminhonetes e ônibus estão autorizados a passar deste a data de segunda-feira dia 22.

Nesta quarta-feira dia 23, um grupo de moradores do município de Juína, região noroeste de Mato Grosso, simpatizantes ao movimento dos caminhoneiros que está ganhando força em todo o país contra o preço dos combustíveis, se reuniu também com intuito de organizar uma paralisação nas rodovias que dão acesso ao município.

De acordo com o site JN Notícias, a ideia do movimento é trancar o trevo da entrada da cidade nas proximidades do posto Figueira, bloqueando as vias de acesso a MT 170, que liga Brasnorte até Juína e a BR-174 que liga Juína ao município de Vilhena-RO.

Em Juara surgiu também nesta quarta-feira dia 23 a ideia de uma possível paralização, e mais detalhes serão discutidos as 07:00hs desta quinta-feira dia 24, mas já está decidido um bloqueio na saída para Juína após a ponte do rio Arinos. “Todos os produtores estão convidados a engajar conosco, citou o produtor rural e empresário Tião Piovesan em áudio no grupo de produtores”.

O gerente do Grupo VMX em Porto dos Gaúchos, Dalmir popular Nenão, se manifestou favorável ao protesto e disse que caminhões da empresa reforçarão o bloqueio em Juara.

O movimento ganha força, e em Porto dos Gaúchos não é diferente. Mensagens trocadas entre produtores rurais em um grupo nesta quarta-feira, cogita-se também uma adesão ao movimento no município.

Em mensagem postada, um produtor diz de Porto dos Gaúchos diz que; “os custos tem aumentado muito, então se for para paralisar e pressionar vamos nós também, sou companheiro para trazer as máquinas e ajudar a bloquear as estradas, de forma pacífica e organizada”

Já outro se oferece para buscar seu caminhão em Sinop para dar apoio ao movimento, caso se concretize no município.

“Temos maquinas agrícolas…automóveis…caminhões…e também sentimos no bolso os preços altos…não vejo por que não apoiar”, cita outro produtor.

Caso o movimento se concretize em Porto dos Gaúchos, será a primeira vez desde 2005, que haverá esse tipo de manifesto no município.

Naquele ano, produtores chegaram a trancar a frente da agencia do Banco do Brasil em um protesto após muitos terem ficado em situação difícil devido a queda dos preços do arroz motivado pelo fato de o governo ter passado a importar, desvalorizando a produção nacional.

Fonte: Porto Noticias

Jornalista Renato Pantanal

Jornalista e redator

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *