Suspeitos de assassinar prefeito são transferidos para Juína, por risco de fuga

A decisão foi tomada diante da “falta de segurança da Cadeia Pública de Colniza”

 Os três suspeitos de participar do assassinato do prefeito de Colniza (1065 km de Cuiabá), Esvander Antônio Mendes, 61 anos, serão transferidos para Juína (730 km de Cuiabá), dado o risco de fuga.

   O crime aconteceu na última sexta-feira (15). Esvander foi alvejado enquanto dirigia o carro na Avenida 7 de Setembro, região central da cidade.

   Conforme a decisão do juiz Ricardo Franzon Menegucci, a falta de segurança da Cadeia Pública de Colniza, que inclusive teve uma tentativa de fuga há menos de um mês, foi um dos fatores determinantes para a transferência.

   O caso tomou repercussão nacional e, por isso, o juiz acredita que “a referida unidade prisional não comporta o recebimento dos presentes custodiados”, consta na decisão.

   Os acusados, Zenilton Xavier de Almeida, Antônio Pereira Rodrigues Neto e Welisson Brito Silva, que foram presos ainda no dia do crime, deverão ser transferidos com urgência para Juína.

   Menegucci ainda pediu que fossem realizados exames de corpo e delito nos acusados e que fossem apurados possíveis excessos por parte de policiais civis, que foram relatos pelos três.

   Zenilton e Welisson, os executores, confessaram o crime e denunciaram o empresário Antônio Pereira Rodrigues Neto como mandante, ele está resguardando-se no direito de falar somente em juízo.

Entenda o caso

   O prefeito de Colniza, Esvandir Antonio Mendes, foi assassinado na sexta-feira (15). Ele foi alvejado enquanto dirigia o carro na Avenida 7 de Setembro, região central da cidade. Esvandir perdeu o controle do veículo após ser baleado, bateu o carro e não conseguiu resistir aos ferimentos.

   Esvandir foi perseguido quando voltava de Cuiabá por cerca de 13 quilômetros, até que os assassinos conseguiram alvejá-lo. Colniza vive momentos de terror atualmente. Vando estava acompanhado da primeira-dama, do genro e do secretário municipal de turismo – que também foi alvejado e levado para o hospital.

   Há cerca de seis meses o vereador Elpídio Meira também foi morto e o crime até hoje não foi esclarecido. O município também foi palco de uma chacina que dizimou a vida de nove posseiros.

Jornalista Renato Pantanal

Jornalista e redator

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *