Colniza – Corpos de família que estava em avião que caiu são sepultados

Família estava desaparecida desde sábado (9) depois de decolar de Colniza para Juara. Os corpos foram retirados da mata em operação da FAB nesta quinta-feira (14).

Os corpos da família que estava no avião que caiu em uma área de mata fechada, a 24 km de Juruena, a 893 km de Cuiabá, foram sepultados na manhã desta sexta-feira (15), no cemitério municipal de Juara, a 690 km de Cuiabá. A Força Aérea Brasileira (FAB) resgatou os corpos na quinta-feira (14).
O piloto, a mulher e o filho estavam desaparecidos desde sábado (9), depois que decolaram de Colniza (a 1.065 km de Cuiabá) com destino a Juara.

Os destroços do avião foram encontrados na terça-feira (12) numa região de mata extremamente fechada. A confirmação das mortes foi feita nesta quarta-feira (13) após buscas na mata.

Segundo a funerária responsável, os corpos foram transladados para necrópsia em Juína, a 737 km de Cuiabá. Depois, foram encaminhados por volta de 23h de quinta-feira para velório na Casa de Velório, em Juara.

A equipe de resgate chegou aos destroços depois de percorrer um trecho da mata fechada e encontrou sem vida o piloto Leandro Ferreira Pascoal, de 28 anos, a mulher dele, Francieli Reseto Pascoal, e o filho do casal, Felipe Pascoal, de 1 ano e 7 meses.

Segundo a FAB, alguns fatores dificultam a retirada dos corpos do local: a região é de mata fechada com presença de nuvens baixas, o que atrapalha a visibilidade.
Desaparecimento

A família tinha decolado em uma aeronave de Colniza com destino a Juara (1.065 e 690 km de Cuiabá, respectivamente).
Leandro fez o último contato às 10h30 (horário de Mato Grosso) de sábado. Ele disse à família que estava sobrevoando Juruena e estava a 40 minutos de Juara. No contato, ele pediu que os parentes esperassem por eles no aeroporto de Juara. Conforme a família, Leandro tinha o costume de fazer esse trajeto havia quatro anos.

As buscas pela FAB começaram no dia seguinte ao desaparecimento da aeronave. Dois aviões sobrevoaram a área de mata fechada até que os destroços foram encontrados na terça. Nesta quarta, os militares desceram e fizeram as buscas por terra.

Jornalista Renato Pantanal

Jornalista e redator

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *