Jornalista R. Pantanal 15 de novembro de 2017

SBT inicia plano de demissões que atinge artistas, Jornalismo, produção e faxina

Não é de hoje que Silvio Santos tem botado dinheiro do próprio bolso no SBT para manter o caixa da emissora no azul. Agora, chegado o fim do ano, a direção da casa não vê outro meio de manter a saúde financeira do grupo, que não seja a execução de um plano de demissões que deve atingir 100 profissionais antes que 2017 acabe.

No Jornalismo, por enquanto, foram dois cortes, mas uma equipe de link foi inteiramente decepada, restando apenas um time para realizar transmissões ao vivo, de qualquer lugar.

Profissionais ligados a afiliadas, produtores de todos os programas e, em especial, da área de novelas, já foram dispensados. Até Jean Paulo Campos, como antecipou o TelePadi, teve seu contrato encerrado. Há três anos, Silvio Santos foi resgatar na Record o pequeno Cirillo, como o menino é conhecido desde que fez “Carrossel”. Embora ainda esteja no ar, em “Carinha de Anjo”, as gravações do folhetim já terminaram e boa parte da equipe não ficará para a próxima trama, “Poliana”, outra adaptação pilotada por Iris Abravanel.

Até a faxina, serviço já terceirizado no SBT, será reduzida.

Nem as herdeiras do Baú foram poupadas. O afastamento de Patrícia Abravanel em função da gravidez determinou não só o fim do “Máquina da Fama”, que ela deixou de apresentar há mais de dois meses, mas também a dispensa de toda a equipe. A filha número quatro de Silvio ainda não tem definido programa próprio para a volta.

Em meio à tristeza pela medida drástica tomada por Senor Abravanel, e mesmo diante de um quadro tão negativo, é preciso lembrar que ele continua muito resistente a aceitar propostas de igrejas evangélicas para locar horário na programação do SBT, como faz a Record, com tabela comercial supervalorizada pela Igreja Universal, matriz do grupo de Edir Macedo, a Band, com R.R. Soares e Valdomiro Santiago, pelo canal 21, e a RedeTV!, com os mesmos personagens religiosos do grupo Bandeirantes.

Judeu, Silvio nada tem contra os evangélicos, vertente religiosa que encontra em sua mulher, Íris, e nas filhas, fervorosas seguidoras. A resistência do patrão à prática, coisa que ele evitou nos (breves, mas difíceis) dias de crise gerada pela falência de seu banco, é baseada mesmo nos princípios laicos com que ele rege a programação da casa. O empresário tampouco é contra a venda de horários na grade, o que está claro pela locação que a Disney faz da faixa matutina no SBT, de segunda a sexta, durante a programação infantil.

Leave a comment.

Your email address will not be published. Required fields are marked*